27 novembro 2008

Contos de Ausência #1

Minha perna não dói mais, as ataduras já foram postas de lado e os comprimidos mal se escutam na caixa; ainda assim, comprimidos, pão e manteiga no jantar, o leite já acabou mas água ainda há, estou de pijamas, seus pijamas verde-limão, velhos demais, curtos demais, a TV continua ligada a me fazer companhia, uma presença discreta na sala escura, Faixa de Gaza, Obama, Seinfeld, qualquer coisa que mantenha o silêncio do lado de fora, qualquer coisa que me ocupe o estômago e a cabeça vazia.

Pelo menos não estou bebendo.

Preciso de um gato, aliás, dois; se fossem cachorros talvez essa casa seria mais alegre e esse verde-limão não ficaria tímido com as luzes apagadas, talvez eu até abrisse as janelas de vez em quando. - não tenho certeza, mas acredito que cachorros não gostam do escuro, não cachorros felizes -Você entende de cachorros não é? Me lembro que você tinha um Terrier idiota que nunca se deixou pegar no colo, que se assustava fácil fácil com o som do violão, ele era idiota mas feliz, ou justamente por isso.

Acho que digeri um pouco de Amor, é que o meu fica estômago - é sério -, acho que a fome foi tanta que precisei digerir um pouquinho de Amor, mas o nosso é grande, dá pra alimentar um bocado de gente sem faltar por aqui, o Amor só não vai bem com álcool porque essa mistura dá uma azia fodida, dessas de suar de madrugada e se enrolar de dor, não sei se você já sentiu essas coisas, aliás, onde é que você guarda o seu Amor? Sempre me disseram que ele fica ali no coração, mas o meu eu sinto no estômago, e eu tinha um amigo em quem o Amor ficava no nariz, dizia que sentia o cheiro dele e tudo mais, dependendo do Amor, ele disse que dava até pra sentir o gosto... Sabe qual o gosto do Amor? Amor tem gosto de paçoquinha.

Ainda estou com fome, queria comer um pouco de Amor mas não acho muito educado, não sem você por aqui... Acho que por enquanto vou ficar com o pão e a manteiga, então a TV vai continuar ligada, e eu vou continuar pensando em gatos e cachorros de pijamas - eu de pijamas, não os cachorros.

Pelo menos não estou bebendo.

.
.
.

Um comentário:

Objeto disse...

Noooossa, adorei esse texto. DEMAIS! Uma das coisas mais diferentes que já li. Nunca tinha pensado sobre o lugar onde guardo meu amor,agora vc vai parar meu trabalho de vez...hehehe. Gosto de paçoquinha...adorei! Parabéns.